Digite no mínimo 3 caracteres!
Comunidade

Filho de 2 anos de delegado morre engasgado com tampa de garrafa pet

Pai se pronunciou sobre o caso pela primeira vez na terça-feira (11), por meio de uma carta de esclarecimento enviada à imprensa

Por: Felipe Bastos
12/01/2022 11h09 - Atualizado há um semana
Foto: Arquivo Pessoal
Foto: Arquivo Pessoal

Um menino de dois anos, filho do delegado da Polícia Civil do Amapá Carlos Alberto Gomes Pereira Filho, morreu engasgado com uma tampa de garrafa pet, em Macapá, na última sexta-feira (7). O pai se pronunciou sobre o caso pela primeira vez na terça-feira (11), por meio de uma carta de esclarecimento enviada à imprensa.

No documento, ele responde às críticas que recebeu, proferidas especialmente pelas redes sociais e pela família materna da criança.

O delegado ressalta que fez tudo o que estava ao seu alcance para salvar o filho. Ele também afirma sofrer com as acusações de negligência sobre a morte da criança. Os dois estavam sozinhos no momento do acidente.

“Eu fiz de tudo para salvar a vida do meu filho. Quando ele engoliu a tampinha, estava próximo de mim, e o fez no momento em que eu estava organizando as coisas pós-almoço. Não houve falta de cuidado, ele estava sendo monitorado”, disse o pai.

Carlos Alberto afirmou que organizava a casa quando percebeu que o filho ficou em silêncio e que a criança não estava se mexendo. “Assustado e sozinho, tentei identificar o que estava ocorrendo, mas, no momento de desespero, não consegui entender ou detectar o motivo. A reação que consegui ter naquele momento foi checar os sinais vitais, que estavam presentes”, relatou.

Ele disse que levou a criança à unidade de saúde mais próxima. “Lá chegando, o médico imediatamente o atendeu. A equipe médica optou por chamar o Samu, que chegou após aproximadamente 30 minutos, o que aumentou ainda mais a minha angústia, já que não sabia o que estava acontecendo com o meu filho. Após a sua chegada, a equipe do Samu rapidamente identificou o problema e retirou uma tampinha de garrafa pet das vias aéreas do meu filho. Infelizmente, ele já não apresentava mais sinais vitais”, escreveu.

Na carta, ele explica que não compareceu ao velório e ao enterro do filho em razão das ameaças que estava sofrendo e para não gerar desconforto maior com sua presença no local. Carlos Alberto também esclareceu que demorou para se pronunciar devido ao desgaste mental com toda a situação.

“Quero, na oportunidade, me solidarizar verdadeiramente com a família. Mas quero que não se esqueçam que eu também sou a família. Todos estão sofrendo muito, jamais em minha vida gostaria que isso tivesse ocorrido. Não desejo isso a ninguém, eu era o maior interessado em ver meu filho bem. Mas não se esqueçam que sou um pai que assistiu ao seu filho morrer. Não quero dizer que minha dor é maior que a de ninguém, mas também não é a menor”, declarou o delegado. As informações são do Portal Metrópoles.

Veja também

Calorão não dá trégua e deve ficar ainda mais forte em Santa Catarina

Temperatura pode chegar aos 40°C em cidades da região Oeste

Caminhoneira e youtuber de SC explica como aconteceu o acidente no MT: “Estava a 40km/h”

Na última quinta-feira (13), a catarinense colidiu o caminhão carregado de soja com outro veículo de grande porte

Prazo de inscrição para concurso do IBGE termina nesta sexta-feira (21)

O Instituto prevê mais de 200 mil vagas de trabalho temporário