Digite no mínimo 3 caracteres!
Justiça

Justiça italiana condena Robinho em última instância por violência sexual

Jogador brasileiro já tinha sido sentenciado a 9 anos de prisão em dezembro de 2020

Por: Lárarson Cortelini
19/01/2022 13h06 - Atualizado há 4 meses
Foto: Ivan Storti - 13.out.2020/Santos FC
Foto: Ivan Storti - 13.out.2020/Santos FC

O atacante Robinho e seu amigo Ricardo Falco foram condenados em última instância pela Justiça da Itália por violência sexual nesta quarta-feira (19).

A Corte de Cassação de Roma negou recurso apresentados pelos réus e confirmou as condenações das instâncias inferiores, que tinham sentenciado o jogador brasileiro e seu amigo, cada um, a nove anos de prisão.

Robinho e outros quatro brasileiros acusados participaram do estupro, agora confirmado em todas as instâncias do Judiciário italiano, de uma jovem de origem albanesa em uma boate na cidade de Milão, em 2013.

A acusação utilizou áudio gravado a partir de uma escuta instalada em um carro, que flagrou uma conversa entre Robinho e seus amigos, o que possibilitou confirmar a versão da vítima do estupro coletivo.

Mesmo com a condenação, Robinho, que está no Brasil, não poderá ser extraditado já que a lei brasileira não permite a extradição de brasileiros.

A justiça italiana pode recorrer à Polícia Internacional (Interpol) para prender o jogador brasileiro caso ele viaje ao exterior.

Robinho foi condenado em segunda instância no dia 10 de dezembro de 2020. À época, a defesa de Robinho afirmou que, “neste, como em muitos processos deste tipo, o perigo real é confundir direito com moral” e alegou que a relação dos acusados com a vítima foi consensual.

Fonte: CNN Brasil

Veja também

Homem agride esposa dentro do carro, perde o controle da direção e colide com poste

O caso aconteceu no final da tarde do domingo (22), em São Miguel do Oeste

VÍDEO: Possível racha deve ser investigado em acidente com morte em Xanxerê

O acidente foi na SC-480 em frente ao CTG do município

Homem em situação de rua é agredido com pedradas em SC

Os autores das agressões não foram presos