Digite no mínimo 3 caracteres!
Justiça

Por falta de provas, torcedor da Chapecoense que alega ter sido agredido em estádio não terá indenização

A confusão aconteceu na partida entre a Chape e o Cruzeiro, na Arena Condá em 1º de junho de 2017

Por: Francieli de Moraes
13/06/2022 15h58 - Atualizado há 2 meses
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A 7ª Câmara Civil do Tribunal de Justiça de Santa Catarina negou recurso de um torcedor da Chapecoense que ingressou com ação de indenização por danos morais contra o clube. A confusão aconteceu na partida entre a Chape e o Cruzeiro, válida pela Copa do Brasil, na Arena Condá em 1º de junho de 2017.

Conforme os autos, alguém arremessou uma pilha contra o quarto árbitro, acertou sua cabeça, e os seguranças do estádio, contratados pelo time do Oeste, identificaram o suposto vândalo no meio da torcida. Pegaram o torcedor e o levaram para uma sala reservada no estádio, onde ficou à disposição da Polícia Militar e logo foi liberado. A pessoa que os seguranças identificaram como autor do arremesso é o autor da ação judicial.

✅ CLIQUE AQUI E RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS EM PRIMEIRA MÃO NO WHATSAPP

Ele ingressou na Justiça porque garante que não foi ele quem jogou a pilha e sustenta que, pelo erro dos seguranças, teve sua imagem vinculada em rede nacional, foi agredido pelos torcedores e xingado de “bandido” por alguém do clube.

“Como sócio da Chapecoense”, afirmou, “jamais tomaria a atitude de arremessar qualquer objeto no campo”. A situação, segundo ele, trouxe forte constrangimento, angústia e humilhação. Ele pediu R$ 20 mil de indenização. Por sua vez, o clube sustentou que os seguranças agiram conforme o protocolo e dentro do que estabelece o Estatuto do Torcedor.  Além disso, afirmaram que protegeram o suposto vândalo, ameaçado por outros torcedores.

Em 1º grau, o homem teve o pleito negado pela juíza Maira Salete Meneghetti  e por isso recorreu. A desembargadora Haidée Denise Grin, relatora do recurso, entendeu que o conjunto probatório não demonstrou a ocorrência de abalo anímico. Ela sublinhou que as testemunhas indicadas pela parte autora não estavam presentes no momento dos fatos.

A magistrada concluiu que os seguranças agiram corretamente, “visto que de imediato retiraram o autor da confusão que já tomava corpo, conduzindo-o a local seguro, até que as imagens de segurança pudessem ser checadas”.

Ainda segundo a relatora, durante o período em que permaneceu na sala para aguardar a conferência das imagens, “não consta (...) um único indício, de que os policiais militares ou prepostos da requerida tenham agido de forma a desonrar o autor ou mesmo agredi-lo verbalmente, com ofensas”, anotou.

Sobre as matérias televisivas, a magistrada constatou que em nenhum momento, o autor foi dado como responsável pelo ocorrido (as reportagens dizem que um torcedor arremessou o objeto), sendo que a gravação e a transmissão de jogos de futebol são de conhecimento público, situação que não pode ser ignorada pelo o autor que implicitamente concordou quando entrou no estádio. “Ademais, o clube não tem responsabilidade pelo que é exibido pelas tevês”, explicou a desembargadora.

Assim, ela negou o recurso e seu voto foi seguido de forma unânime pelos demais integrantes da 7ª Câmara Civil.

Informações TJSC

Veja também

Carro pega fogo em movimento, em Águas de Chapecó

Populares conseguiram conter as chamas até a chegada do Corpo de Bombeiros

URGENTE: Grave acidente deixa quatro pessoas feridas no Goio-Ên

Vítimas foram conduzidas para o Hospital Regional do Oeste (HRO), pelo Corpo de Bombeiros e Samu.

Quadrilha do Pix usava fotos de garota de 13 anos e atraía homens para falsos encontros

Caso aconteceu na cidade de Piratuba, na Zona Norte de São Paulo